Primeiros socorros para todos: formação e educação são essenciais para salvar vidas
Sexta, 10 Setembro 2010 11:03

relatorio first aid

Para assinalar o Dia Mundial dos Primeiros Socorros (11 Setembro), a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou o relatório Primeiros Socorros para um Futuro Seguro (edição global actualizada). O relatório apela a governos e parceiros a desenvolverem acções concretas para colmatar a falha em termos de preparação que existe entre as comunidades ricas e pobres. O objectivo é tornar a formação e educação em primeiros-socorros disponível para todos. Hoje, mais de 7 milhões de pessoas são formadas a nível mundial nos 52 países onde foi efectuado o estudo da FICV, o que representa um aumento de 20% em relação a 2006. Embora alguns países tenham tomado iniciativa no sentido de tornar disponível a formação, a FICV chama a atenção da comunidade internacional para a importância das dez recomendações deste relatório para que mais vidas possam ser salvas a nível mundial.

“Têm de ser feitos mais esforços para que o progresso que já alcançámos resulte em políticas que tornem mais fácil o acesso a primeiros socorros. De facto, o relatório demonstra que indivíduos e comunidades idênticos – em países ricos ou pobres – devem estar melhor preparados para prestar primeiros socorros. A FICV e as suas Sociedades Nacionais membros comprometem-se a fazer mais, fazer melhor e chegar mais longe em termos de primeiros socorros”, diz Grace Lo, responsável da Unidade de Saúde Comunitária da FICV em Genebra.

O relatório enumera vários exemplos de todo o mundo que realçam a importância da formação em primeiros socorros de indivíduos e comunidades quando têm de lidar com acidentes rodoviários ou ferimentos devido a catástrofes. Desde a implementação de legislação nacional no Gana que requer conhecimentos de primeiros socorros para os condutores, passando pelo exemplo da Turquia em que 98% dos 50.000 sobreviventes do sismo de Marmara em 1999 foram salvos pela população local em vez de pessoal da emergência, até à recente catástrofe no Haiti em Janeiro passado onde voluntários formados da Cruz Vermelha estiveram entre os primeiros na prestação assistência aos sobreviventes, a capacidade de agir rápida e adequadamente é crucial. É por isso que ensinar indivíduos e comunidades com competências básicas de primeiros socorros é a forma correcta de os proteger.

Para ver e imprimir o relatório Primeiros Socorros para um Futuro Seguro (edição global actualizada), clique aqui.

Para obter informações sobre cursos de primeiros socorros, consulte o site da Escola de Socorrismo da Cruz Vermelha Portuguesa.