Haiti: actualização sobre as operações humanitárias
Terça, 09 Fevereiro 2010 14:40

As necessidades humanitárias após o sismo de 12 Janeiro 2010 no Haiti continuam a ser vastas e permanece a urgência de acção. Apesar da dificuldade de se obterem números exactos de mortos, destruição e estragos, aproximadamente 700.000 pessoas sobrevivem sem condições adequadas de abrigo. Estima-se que existam entre 800.000 e 1 milhão de pessoas deslocadas internamente, o que coloca pressão sobre as regiões receptoras que não foram afectadas pelo sismo.
Permanecem elevadas as necessidades de abrigo, saneamento e higiene, prestação de cuidados a crianças, alimentos e cuidados de saúde, em especial capacidade hospitalar para atender os doentes pós-cirúrgicos. A Cruz Vermelha Haitiana continua a desenvolver, incansavelmente, as suas acções de socorro de emergência que começaram imediatamente após o sismo.
O nível de apoio mobilizado (recursos humanos, materiais e financeiros) faz desta operação a maior operação humanitária alguma vez levada a cabo num único país. Mais de 70 Sociedades Nacionais, incluindo a Cruz Vermelha Portuguesa, estão activamente envolvidas no apoio à Cruz Vermelha Haitiana quer seja a nível financeiro, em géneros ou serviços. Já foram enviadas para o Haiti 21 Unidades de Resposta a Emergência (ERU), compostas por 230 técnicos especializados. O Comité Internacional da Cruz Vermelha, já presente no país antes do sismo, tem dedicado os seus esforços ao socorro e tem empregue as suas competências no restabelecimento das ligações familiares e nas relações militares-civis no contexto da resposta à emergência. A resposta conjunta do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho está a responder às necessidades humanitárias da população mais vulnerável do sismo. Até 5 Fevereiro 2010, a Cruz Vermelha tinha prestado tratamento médico a pelo menos 13.000 pessoas. Até à data, 37.054 famílias (185.270 pessoas) receberam bens de socorro não-alimentar. Para além disso, 17.007 agregados receberam lonas e corda, 1.645 agregados receberam um kit de ferramentas para abrigo e 925 agregados receberam uma tenda. Foram distribuídos no total 15 milhões de litros de água limpa e foram objecto de intervenção a nível sanitário 9 locais transitórios.

Para a Cruz Vermelha, as principais prioridades para os próximos meses são as seguintes:

  • Acesso seguro a bens não-alimentares e transferência de dinheiro que permitam às famílias retomarem as actividades básicas dos agregados familiares.
    Assegurar abrigo adequado.
  • Melhorar as condições de água e saneamento.
  • Prestar cuidados básicos de saúde curativos e preventivos, educação para a saúde baseada na comunidade, e apoio psico-social.
  • Fortalecer a preparação para desastres em antecipação à próxima época das chuvas e dos furacões, ao mesmo tempo que se estabelecem as fundações para uma rápida recuperação da população mais afectada.

A Operação Sismo no Haiti irá distribuir bens não-alimentares e materiais para abrigos de emergência a 80.000 famílias (400.000 pessoas), que representam aproximadamente cerca de 13% da estimativa do total de 3 milhões de pessoas que foram fortemente afectadas pelo sismo. Em complementaridade ao bens não-alimentares, determinados agregados familiares irão beneficiar de transferências de dinheiro, e cerca de 300.000 pessoas beneficiarão de actividades de água, saneamento e higiene.
Embora os objectivos do socorro tenham sido reformulados para prestar apoio a mais pessoas, a orientação desta operação permanece constante. O apoio bilateral das Sociedades Nacionais Participantes irão aumentar a quantidade e qualidade das acções de socorro e permitir expandir o alcance e impacto e, neste sentido, realiza-se entre os dias 9-10 Fevereiro em Montreal, Canadá, uma Conferência da Cruz Vermelha de Resposta ao Haiti. Esta Conferência tem como objectivo melhor compreender o actual contexto e situação da operação no Haiti, acordar uma posição consolidada do Movimento sobre as áreas de acção prioritárias em relação ao socorro, recuperação e apoio à CV Haitiana, e estabelecer abordagens e mecanismos para aumentar a coordenação no Movimento e as relações com outros na operação no Haiti. Esta operação assegura a coordenação da resposta humanitária com o governo Haitiano, agências, organizações não-governamentais e outros grupos, incluindo as próprias comunidades afectadas.
A pedido do Coordenador de Socorro de Emergência das Nações Unidas, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho terá a liderança do “Cluster” Abrigo e Bens Não-Alimentares.

Para obter informações sobre as formas de donativo para o Fundo de Emergência da Cruz Vermelha Portuguesa - "Apelo vítimas sismo Haiti" e assuntos relacionados, clique aqui.