Haiti: actualização sobre as operações humanitárias
Terça, 02 Fevereiro 2010 14:10

Mais de duas semanas após o terramoto de 7.0 na escala de Richter que devastou a capital Haitiana de Port-au-Prince, o Presidente Haitiano anunciou que foram removidos dos destroços cerca de 170.000 corpos, sendo que o número de feridos se situa aproximadamente nos 200.000. Após o sismo principal, já foram sentidos outros dois fortes que causaram danos às já danificadas estruturas e causou maiores ferimentos.
Grupos de pessoas deslocadas internamente estão a mobilizar-se para outras áreas do Haiti que foram menos afectadas pelo sismo, embora com economias muito mais fracas do que a da cidade capital e áreas circundantes. Esta situação requer uma atenção imediata e apoio às famílias que estão a tomar a seu cargo os parentes e membros da família afectados pelo terramoto.
A Presidente da Cruz Vermelha Haitiana já realçou a necessidade de apoiar o sector agrícola haitiano para assegurar a sustentabilidade e resiliência do povo haitiano. Ao mesmo tempo, sublinhou o compromisso da CV Haitiana de distribuir bens de socorro básicos não-alimentares.
As avaliações da Cruz Vermelha continuam a ter lugar nas áreas afectadas fora de Port-au-Prince. Em Janeiro, sete equipas da Cruz Vermelha presentes no Haiti avaliaram todas as áreas afectadas em Port-au-Prince, Kenscoff, Croix des Bouquets, Leogane, Petit-Goave, Grand-Goave e Jacmel. Nos próximos dias os restantes departamentos de Les Cailles, Jérémie e Gonaïves serão avaliados. As necessidades mais prementes identificadas durante as avaliações são o alojamento/abrigos, saneamento/higiene, cuidados a crianças e alimentos, e capacidade de camas hospitalares para pacientes pós-cirúrgicos.
A capacidade de resposta total da Cruz Vermelha inclui a assistência a 4.000 doentes em várias instalações médicas de emergência a operar no país, a distribuição de aproximadamente 4 milhões de litro de água limpa a 185.000 pessoas em 83 localizações diferentes e a distribuição de bens não-alimentares a aproximadamente 75.200 pessoas até à data. O restabelecimento das ligações familiares (RLF) também tem sido uma actividade crucial do Comité Internacional da Cruz Vermelha com 3.062 mensagens “seguro e bem” e 22.596 mensagens “ansioso por notícias” colocadas no site RFL.
Cerca de 500 trabalhadores internacionais estão presentes no Haiti unindo os seus esforços de resposta. Para além desta capacidade internacional e no centro da resposta da Cruz Vermelha estão perto de 3.000 voluntários da CV Haitiana na capital e 10.000 em todo o país.
O sistema de ensino permanece fechado. Prevê-se que na primeira semana de Fevereiro as escolas das zonas não afectadas abram novamente, sem que haja previsão de quando abrirão as das zonas afectadas pelo sismo.
A Cruz Vermelha Portuguesa já contribuiu com 500.000 Euros para apoiar estas operações e as actividades que estão previstas no apelo de emergência. Este apelo prevê apoiar durante 3 anos 60.000 famílias (300.000 pessoas).

Para obter informações sobre as formas de donativo para o Fundo de Emergência da Cruz Vermelha Portuguesa - "Apelo vítimas sismo Haiti" e assuntos relacionados, clique aqui.