Haiti: actualização sobre as operações humanitárias
Segunda, 25 Janeiro 2010 17:50

A Cruz Vermelha já mobilizou mais de 500 toneladas de ajuda e 18 Unidades de Resposta a Emergência. Estão a operar em Port-au Prince 3.000 voluntários da Cruz Vermelha Haitiana (cerca de 10.000 em todo o país), com o apoio de 500 voluntários e profissionais especializados do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. O Fundo de Emergência da Cruz Vermelha Portuguesa já conta com 600 mil Euros para apoiar as vítimas do sismo no Haiti. A Cruz Vermelha Portuguesa enviará recursos humanos se forem solicitados.
O Governo do Haiti estima que o sismo do 12 de Janeiro causou 75.000 mortes, 200.000 feridos e um milhão de pessoas deslocadas. Estas estimativas não podem ainda ser confirmadas, contudo o OIM estima que 370.000 pessoas vivem acampadas em mais de 250 locais a céu aberto.
Embora a operação de assistência seja extremamente difícil devido aos problemas logísticos no aeroporto, que recebe até 150 aviões por dia, e de estradas dificilmente transitáveis, a ajuda humanitária está a começar a ter resultados na melhoria da situação das vítimas deste sismo.
Acção do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho
A Cruz Vermelha já estava presente e activa no Haiti antes do terramoto que assolou este país há cerca de duas semanas. A Cruz Vermelha Haitiana tinha 1.000 voluntários registados em Port-au-Prince, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) e o Comité Internacional da Cruz Vermelha desenvolviam actividades na área da preparação para desastres, assistência aos civis na área de saúde, água e saneamento, assim como na área da protecção de pessoas detidas.
Desde o terramoto de 12 de Janeiro, o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho reforçou consideravelmente a sua presença e actividades. Sob a coordenação da Federação Internacional, as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho do mundo inteiro mobilizaram-se a favor das vítimas do Haiti: cada uma no quadro do plano da Federação Internacional e segundo as necessidades..
A Cruz Vermelha Portuguesa mobilizou-se para angariar fundos e assim financiar as actividades que estão a decorrer nesta fase de emergência. O Fundo de Emergência da Cruz Vermelha Portuguesa para apoio das vítimas do sismo já conta com 600 mil Euros, recolhidos graças à generosidade dos doadores portugueses. De acordo com as necessidades que irão surgir na fase de reabilitação, a Cruz Vermelha Portuguesa poderá participar com pessoal de saúde ou noutras áreas, dependendo das solicitações de recursos humanos por parte da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.
A assistência
Desde o dia 12 de Janeiro foram mobilizadas mais de 500 toneladas de ajuda e 18 Unidades de Resposta a Emergência (ERUs). Neste momento, estão a operar em Port-au Prince entre 2.500 a 3.000 voluntários da Cruz Vermelha Haitiana (cerca de 10.000 em todo o país), apoiados nesta missão por 500 voluntários e profissionais especializados do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho procedentes, em parte, das Cruzes Vermelhas da zona das Caraíbas e da América latina.
Importa destacar a heróica intervenção dos voluntários sobreviventes da Cruz Vermelha Haitiana logo depois o terramoto. Esta intervenção, previamente treinada e preparada, permitiu salvar muitas vidas. A actual operação, uma das maiores da história da Cruz Vermelha, nunca seria possível sem estes voluntários e a sua dedicação e coragem.
As equipas internacionais (ERUs) no terreno operam na área da logística, em Port-au-Prince e em Santo Domingo, telecomunicações, na assistência e na criação de abrigos para os deslocados. 13.000 pessoas já receberam tendas, lonas, cobertores, kits de higiene e de cozinha. Mais de 40.000 pessoas receberão esta assistência nos próximos dias. Até à data, 380 toneladas métricas foram já transportados para Port-au-Prince a partir do Panamá, onde a Cruz Vermelha dispõe de armazéns com assistência pré-posicionada.
Na área da saúde foi instalado um hospital de campanha no Hospital Universitário de Port-au-Prince. 2 unidades móveis de cuidados básicos de saúde, com capacidade para fornecer cuidados de saúde preventivos e curativos a 30.000 pessoas, estão operacionais desde há alguns dias. 500 pessoas são actualmente tratadas diariamente em centros de atendimento criados pelo Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.
Actualmente o fornecimento da água é uma grande prioridade: as 4 unidades ERU especializadas no fornecimento de água já presentes, forneceram 2 milhões de litros em Port-au-Prince e Leogane. Espera-se que nos próximos dias a capacidade de fornecimento em água chegue a 500.000 litros por dia.
Voluntários locais especificamente treinados no quadro da preparação para desastres, causados pelos furacões frequentes nas Caraíbas, já estão a prestar apoio psicológico aos sobreviventes.
Com o mesmo objectivo de combater também o sofrimento psicológico causado pela catástrofe, equipas de voluntários da Cruz Vermelha Haitiana, apoiados por especialistas do Comité Internacional da Cruz Vermelha, estão a ajudar as pessoas a restabelecer o contacto com os seus familiares em 4 campos. Até à data já foram realizadas mais de 900 chamadas telefónicas entre residentes em Port-au-Prince e os seus familiares que vivem no estrangeiro. O site Family Links (www.icrc.org/familiylinks) tem actualmente 24.100 nomes. Este site está actualmente disponível em quatro línguas, incluindo crioulo. Mais de 1.900 nomes são de pessoas que reportaram estar vivas e seguras e até ao passado dia 22 foi possível remover 564 nomes porque as pessoas em causa foram localizadas.

Para obter informações sobre as formas de donativo para o Fundo de Emergência da Cruz Vermelha Portuguesa - "Apelo vítimas sismo Haiti" e assuntos relacionados, clique aqui.