CICV apela a fundos para enfrentar a grave situação humanitária no leste da Ucrânia
Terça, 14 Abril 2015 16:09

ucrnia

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) apela a fundos extra para enfrentar a grave situação humanitária após um ano de conflito intenso no leste da Ucrânia.

O frágil cessar-fogo, acordado em Fevereiro, permitiu às equipas do CICV avaliarem de forma mais clara a situação nas áreas da linha da frente. As necessidades dos deslocados, dos feridos, dos detidos e daqueles que tentam reconstruir as suas vidas, são sérias.

O CICV está a apelar a doadores para providenciar 32 milhões de euros extra. O dinheiro será aplicado em mais assistência para os sem-abrigo devido ao conflito, mais serviços de saúde essenciais e na ajuda na identificação dos mortos. Será também utilizado para alertar sobre os perigos de engenhos explosivos não detonados e para ajudar os serviços de emergência a lidar com os mesmos.

"Apesar do combate ter diminuído ainda existem vítimas quase todos os dias, e as condições de vida são muito fracas para os civis nas áreas da linha da frente e para as pessoas deslocadas em toda a região”, disse o chefe de operações do CICV para a Europa e Ásia Central, Laurent Corbaz. “Precisamos de ajudar as pessoas a lidar com a contínua indiferença e com as consequências de um ano de terrível conflito.”

Os fundos adicionais levarão o orçamento de 2015 para as delegações regionais da Ucrânia e de Moscovo, para mais de 79 milhões de euros, tornando esta uma das suas cinco principais operações do CICV a nível mundial.

Segundo as Nações Unidas, pelo menos 6.000 pessoas foram mortas no conflito do leste da Ucrânia e metade da população da região, cerca de 2 milhões de pessoas, foram desalojadas. Durante o conflito, os civis perto da linha-da-frente eram submetidos a fortes bombardeamentos e a artilharia pesada. Hospitais, escolas, sistemas de água e eletricidade ou outros serviços essenciais foram severamente danificados.

A situação tornou-se ainda mais grave devido à pobreza existente na região, à falta de recursos nas áreas mantidas pela oposição e à inatividade económica. As pessoas também tiveram dificuldade em aceder às suas pensões e poupanças devido a novos procedimentos de viagem. Sem trabalho e sem salários, famílias inteiras sobrevivem da ajuda distribuída pelo CICV e os parceiros do Movimento da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

Em 2015, o CICV levou mais de 3.000 toneladas de ajuda para áreas controladas pela oposição, nas zonas de Lugansk e Donetsk. Mais de 156.000 pessoas receberam alimentos e mais 167.000 pessoas receberam outros itens básicos, em ambos os lados da zona de conflito. No sul da Rússia e na Crimeia, o CICV e delegações locais da Cruz Vermelha distribuíram 1.200 toneladas de ajuda a pessoas que fugiram das hostilidades na Ucrânia.

O trabalho do CICV em benefício das pessoas privadas da sua liberdade é uma parte essencial do seu mandato. Desde Setembro de 2014, o CICV tem visitado serviços estatais de detenção. Em 2015, o CICV providenciou alimentos e itens de higiene, a cerca de 16.000 prisioneiros detidos em instalações mantidas pela oposição. O CICV prossegue o diálogo com as autoridades ucranianas e com a oposição a fim de obter acordos formais para visitar os detidos, e ofereceu-se para facilitar a libertação simultânea de pessoas detidas por ambas as partes.