Dia Internacional de Sensibilização para as Minas Terrestres e Assistência à Desminagem
Segunda, 06 Abril 2015 15:25
diaintminas    

Minas anti-pessoais, bombas de fragmentação e outros explosivos remanescentes de guerra (ERW), são uma presença nefasta em todo o mundo e continuam a fazer grandes danos muito tempo depois de os conflitos terem terminado e os acordos de paz terem sido assinados. Na última década, mais de 50.000 pessoas perderam membros ou vidas para essas armas.

O Dia Internacional de Sensibilização para Minas Terrestres e Assistência à Desminagem celebra-se em todo o mundo no dia 4 de abril de cada ano.
Serve para lembrar a comunidade internacional de ajudar a estabelecer e desenvolver capacidade nacional de acção relativa às minas, em países onde as minas e ERW são uma ameaça grave e constante para a segurança - mesmo a vida - de civis ou um impedimento para o desenvolvimento social e económico.

No final de 2013 e início de 2014, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) enviou cinco fotógrafos para cinco países - Bósnia e Herzegovina, Iraque, Laos, Moçambique e Nicarágua - para documentar o custo humano exigido por minas e outros ERW. As imagens capturaram tanto o trabalho dedicado dos envolvidos em operações de desminagem, como a angústia e resistência dos sobreviventes.

Moçambique
Desde 1993, as Nações Unidas e várias organizações não-governamentais, incluindo a HALO Trust, Handicap International, Desenvolvimento de Produto Deteção de minas terrestres antipessoal e Ajuda Popular da Noruega, têm vindo a desminar Moçambique em colaboração com o Instituto Nacional de Desminagem.
Moçambique espera concluir as operações de desminagem em 2015 - um marco significativo neste país, fortemente afectado pelas minas. No entanto, as necessidades das vítimas de minas permanecerão. O governo estima o número de vítimas em 10.900.

Bósnia e Herzegovina
As minas terrestres e outros ERW continuam a ser fonte de grande preocupação na Bósnia e Herzegovina. A sua presença data-se principalmente na guerra de 1993-1995 na ex-Jugoslávia. Foram contaminados cerca de 1.263 quilómetros quadrados, causando 8.075 vítimas registadas, das quais mais de 5.800 sobreviveram.

Iraque
O Iraque está fortemente contaminado com minas terrestres e outros ERW, resultado de décadas de conflito armado e violência sectária. O número de sobreviventes de acidentes com minas ou relacionados com ERW é estimado ser entre 48.000 e 68.000. O compromisso assumido no âmbito da Convenção de Proibição de Minas Antipessoais exigem ao Iraque que tente limpar o território de todas as minas antipessoais até fevereiro de 2018.

Laos
Entre 1963 e 1972, durante a Guerra do Vietnam, pelo menos, 270 milhões de bombas de fragmentação foram lançadas sobre Laos. Dezenas de milhões destas não foram detonadas.
Mais de 20.000 laocianos foram mutilados ou mortos por bombas de fragmentação desde o fim oficial da guerra, em 1973. Cerca de 80% dos 6,8 milhões de cidadãos do país são agricultores de subsistência, o que significa que milhares deles estão diariamente a cultivar terra perigosamente contaminada com bombas de fragmentação e outros engenhos explosivos não detonados.

Nicarágua
A Nicarágua ratificou a Convenção de Proibição de Minas Antipessoais em 1999. A guerra civil da década de 1980 deixou 16 das suas 17 províncias afetada por minas particularmente as áreas rurais e empobrecidas. Em 2010, a Nicarágua foi declarada livre de minas, tendo retirado mais de 179.000 minas antipessoais de seu território e meio milhão de peças de engenhos explosivos não detonados. Toda a América Central é agora livre de minas - um grande avanço na luta para limpar o mundo de minas antipessoal. Não deverão exisitr novas vítimas de minas terrestres na Nicarágua, mas, pelo menos 1.200 sobreviventes de minas terrestres e ERW vão continuar a precisar de ajuda.
 
O CICV está activo nos esforços de desminagem em muitos outros países, como o Afeganistão, Camboja, Chade, Colômbia, República Democrática do Congo, El Salvador, Etiópia, Guiné-Bissau, Índia, Iraque, Myanmar, Níger, Paquistão, Peru, o Sudão do Sul, Sudão, Tadjiquistão, Ucrânia e Iémen.
O CICV recolhe e analisa dados e questionários, e elimina minas terrestres e outros ERW; desenvolve atividades em conexão com a redução do risco e educação sobre o risco.
Além disso, as vítimas de minas terrestres e ERW beneficiam de reabilitação física, cuidados cirúrgicos e programas de segurança econômica fornecidos pelo CICV.

Clique aqui para ver o trabalho fotográfico "Landmines: a legacy of war"