Dia Internacional dos Migrantes: Cruz Vermelha ajuda famílias de migrantes desaparecidos
Quarta, 18 Dezembro 2013 14:49
migrantes

Por ocasião do Dia Internacional dos Migrantes, a Cruz Vermelha chama a atenção para as famílias de migrantes que podem ficar em situação de grande vulnerabilidade quando não têm notícias dos seus entes queridos durante longos períodos de tempo. 

"Existem muitas razões porque perdem o rasto aos familiares,” diz Marianne Pecassou do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Agência Central de Pesquisa, em Genebra. “Nalguns casos o migrante talvez tenha morrido ou esteja detido. Noutros casos, ele ou ela foram apanhados em trânsito sem recursos para ir mais além ou regressar a casa. Muitas vezes, os migrantes podem estar relutantes em recorrer a organizações locais ou mesmo contactar as suas famílias, devido ao seu estatuto irregular.”

“As famílias suportam o mesmo sofrimento, assim como as famílias daqueles que estão desaparecidos como resultado de conflitos ou desastres naturais,” disse Marianne Pecassou. “Há um enorme esforço emocional, sendo que eles não sabem se a pessoa está morta ou viva. Mas esta incerteza também pode ter consequências jurídicas ou financeiras para aqueles que são deixados para trás. A perda de contacto pode ainda deixar famílias expostas à exploração por parte de pessoas que dizem ter informação ou controlo sobre os migrantes desaparecidos.”

Para aliviar estes problemas, o CICV trabalha com as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, incluindo a Cruz Vermelha Portuguesa e o seu serviço de Restabelecimento de Laços Familiares, nos países de origem, em países com rotas de migração e em países de destino. Em parceira com essas Sociedades Nacionais, é necessário procurar restabelecer o contacto com os migrantes e as suas famílias através de actividades de pesquisa, de troca de mensagens da Cruz Vermelha, chamadas telefónicas ou outros meios tal como o website de restabelecimento de laços familiares. (www.familylinks.icrc.org).

A Cruz Vermelha Portuguesa, juntamente com várias Sociedades Nacionais Europeias e o CICV, lançaram recentemente o projecto “Posters Laços Familiares”, que envolve a publicação em posters e na internet de imagens de membros da família que estão à procura de migrantes desaparecidos na Europa. (http://familylinks.icrc.org/europe/en/Pages/search-persons.aspx). A exemplo, no passado mês de Novembro, um pai Sírio na Turquia reconheceu o rosto da sua filha no website e eles foram capazes de restabelecer o contacto. Ela vivia como refugiada na Alemanha e eles tinham perdido contacto aquando da fuga dos combates em Damasco.

Para além de restabelecer o contacto com as suas famílias, o CICV com as Sociedades Nacionais também pode prestar aos migrantes material de assistência, como o acesso a cuidados de saúde, primeiros socorros, serviços ortopédicos, água potável, melhorar situações de saneamento, fornecimento de bens de higiene pessoal e informação sobre viagens em segurança. Em muitos países também visita locais onde os migrantes estão detidos para monitorização de condições e do seu tratamento.

“O CICV foca-se em ir ao encontro das necessidades dos migrantes mais vulneráveis  e das suas famílias, independentemente do seu estatuto legal,” explica Pecassou. “No entanto não tenta prevenir ou encorajar a migração.”