Afeganistão: depois do ataque, Cruz Vermelha adapta-se à evolução do conflito
Quinta, 01 Agosto 2013 15:14

A proliferação e radicalização de grupos armados no Afeganistão estão a agravar o já instável ambiente de segurança. As pessoas comuns estão a sofrer os efeitos no seu dia-a-dia, e as vítimas civis estão a aumentar. O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) permanece fortemente comprometido a ajudar as pessoas afetadas pelo conflito e outras formas de violência armada. Com demasiada frequência, os civis são alvos diretos ou são apanhados no meio das hostilidades, e as famílias são despedaçadas enquanto os seus entes queridos são mortos ou mutilados. Para além disso, para demasiados afegãos a falta de acesso a serviços médicos básicos, e os ataques a trabalhadores de saúde e a instalações e transportes médicos tornam a situação pior.

Entretanto, a ajuda internacional está a ser diminuída devido a razões políticas e de segurança. "O ataque mortal que ocorreu no escritório do CICV em Jalalabad em Maio reflete a deterioração da situação” disse Jacques de Maio, o chefe das operações do CICV para o Sul da Ásia. “Temos agora um ambiente em que homens armados podem abrir uma fenda na mais antiga regra da guerra, que diz que aqueles que ajudam não-combatentes têm de ser poupados e protegidos, e ao fazê-lo de forma deliberada privam-se milhões de afegãos de ajuda tão necessária.

O CICV tem um papel único para milhões de afegãos e não os podemos abandonar.” O CICV decidiu manter a capacidade de resposta às necessidades mais urgentes das vítimas de conflito armado. Continuará a prestar serviços de reabilitação física para dezenas de milhar de amputados e outras pessoas com incapacidade, tal como tem feito há mais de 30 anos, apoiando hospitais e prestando cuidados às vítimas de guerra. Para além disso, continuará a monitorizar o impacto do conflito nos civis e intervindo apropriadamente com as partes. Os seus delegados irão continuar as suas visitas aos detidos dentro e fora do país, e com o seus esforços para ajudar os membros das famílias a manterem-se em contacto.

A assistência de emergência para residentes ou pessoas deslocadas apanhadas pelas hostilidades será mantida, quando necessário em parceria com organizações locais – em especial com a Sociedade do Crescente Vermelho Afegão, cujo papel se tem tornado fundamental perante as circunstâncias. O CICV dará apoio ao Crescente Vermelho Afegão, e encoraja a ação coordenada do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho. "Temos que adaptar o nosso modelo de trabalho e procedimentos para reduzir a exposição ao risco,” disse Jacques de Maio. "Lamentavelmente, isto terá um efeito adverso na qualidade e quantidade de alguns dos nossos serviços.” Será preciso mais tempo para medir o impacto dos esforços do CICV em menor escala para assegurar que as pessoas têm acesso a água e saneamento, e da sua reduzida capacidade para distribuir alimentos e viajar para locais remotos. Isto significa que algumas atividades serão diminuídas, entregues a parceiros locais ou simplesmente descontinuadas.

De acordo com o seu mandato, o CICV irá continuar a dialogar com as partes em conflito para promover a sensibilização sobre, e o respeito pelas, regras de guerra, e assegurar que o trabalho humanitário é compreendido e aceite. Enquanto organização humanitária neutra, imparcial e independente, que trabalha sem guardas armados ou escoltas, o CICV depende de todos, especialmente das entidades armadas, para a segurança que lhe permite prestar assistência humanitária.

Visitar detidos e restabelecer o contacto entre familiares

O CICV visita detidos no Afeganistão e noutros países do mundo para monitorizar as condições em que estão detidos e o tratamento que recebem. Os delegados do CICV visitam regularmente prisões geridas pelas autoridades Afegãs, por nações que contribuem para a ISAF (International Security Assistance Force ) liderada pela NATO e pelas forças norte-americanas. O CICV também ajuda os membros das famílias separadas pelo conflito a manterem contacto entre si, e procura localizar pessoas desaparecidas.

Durante a primeira metade de 2013, o pessoal do CICV: 

  • Efetuou 108 visitas em 72 locais de detença pelo país;
  • Monitorizou 2.398 detidos individualmente e visitou 841 pela primeira vez;
  • Pagou as despesas de transporte a 13 ex-detidos para regressarem às suas aldeias de origem;
  • Com a ajuda do Crescente Vermelho Afegão, recolheu cerca de 11.000 mensagens Cruz Vermelha e distribuiu cerca de 10.400, a maioria entre detidos e as suas famílias; 
  • Permitiu que familiares de pessoas detidas nas instalações de detenção em Parwan fizessem quase 3.300 telefonemas para os seus familiares detidos;
  • Permitiu às famílias fazerem mais de 2.700 visitas a familiares detidos nas instalações em Parwan facilitando o transporte.

Prestar cuidados de saúde

  • Apoiar as instalações de saúde é uma grande parte do trabalho do CICV no Afeganistão. O CICV dá medicamentos e apoio médico ao Hospital de Sheberghan no norte e ao Hospital Regional de Mirwais no Sul, ambos sob a tutela do Ministério da Saúde Pública. Para além disso, dá a 44 clínicas do Crescente Vermelho Afegão apoio técnico e financeiro, medicamentos e consumíveis. O CICV também providencia consumíveis de primeiros socorros para as linhas de frente, e dá formação em primeiros socorros para combatentes e civis de forma a capacitá-los a tratar os feridos.
  • De Janeiro a Junho de 2013 os hospitais de Mirwais e Sheberghan admitiram 16.169 pacientes e realizaram 82.734 consultas ambulatórias entre eles. Cerca de 5.250 operações cirúrgicas foram realizadas apenas no Hospital de Mirwais.
  • Para além disso, no mesmo período, o CICV:
  • Entregou consumíveis hospitalares às linhas da frente para tratar pessoas feridas pelas hostilidades;
  • Deu formação de primeiros socorros a quase 780 combatentes, pessoal das forças de segurança nacional, policia local e Ministérioda Saúde Pública, e taxistas que transportam feridos para o hospital;
  • Mensalmente, entregou medicamentos e outros bens a postos de saúde locais geridos pelo CICV.

Dar próteses e prestar serviços de reabilitação física

O CICV  gere 7 centros de protésicos/ortopédicos no Afeganistão que prestaram serviços de reabilitação a amputados e a outras pessoas com incapacidade. Os centros ajudam as pessoas com incapacidade a reconquistar o seu lugar na sociedade dando-lhes formação vocacional, microcrédito e educação em casa para crianças. Um serviço de assistência domiciliária oferece apoio médico, económico e social para paraplégicos que teriam dificuldade em se deslocar até aos centros.

Durante os primeiros seis meses de 2013, os 7 centros do CICV:

  • Registaram quase 4.050 novos pacientes, incluindo 598 amputados;
  • Assistiram 47.086 pacientes;
  • Colocaram quase de 8,520 de próteses e aparelhos ortopédicos;
  • Realizaram mais de 124.230 sessões de fisioterapia;
  • Concederam empréstimos de micro crédito a 350 pacientes para os ajudar a iniciar pequenos negócios;
  • Deram formação profissional a 145 pacientes, 103 dos quais completaram a sua formação este período;
  • Realizaram 3.921 visitas domiciliárias para tratar pacientes com lesões na espinal medula.

Distribuição de alimentos e outras ajudas

Com o apoio da Sociedade do Crescente Vermelho Afegão, o CICV distribuiu alimentos e outros bens a pessoas que sofrem os efeitos do conflito ou do desastre natural. O CICV também organizou projetos de comida-por-trabalho em várias províncias para que os chefes de família possam apoiar as suas famílias, e gere programas de formação para proprietários de animais para lhes dar competências básicas de veterinária.

De Janeiro a Junho de 2013, o CICV e a Sociedade do Crescente Vermelho Afegão:

  • Criaram emprego para quase de 4.300 participantes no projeto dinheiro-por-trabalho no norte do país;
  • Distribuíram um mês de rações alimentares e utensílios domésticos a mais de 3.830 famílias deslocadas pelo conflito ou por desastre natural;
  • Distribuíram galinhas e ração, e deram formação para gestão de aves para mais 1.200 a famílias lideradas por mulheres em 24 aldeias no norte;
  • Formaram quase 250 criadores de gado em pecuária e distribuíram consumíveis veterinários a 60 trabalhadores para-veterinários.

Melhorar  os serviços de água e saneamento

O CICV trabalha em conjunto com os juntas locais de água para ajudar a trazer água potável para as comunidades rurais e urbanas abrindo poços, instalando condutas e formando s comunidades na manutenção de bombas manuais. O CICV trabalha com as autoridades prisionais para ajudar a melhorar as condições de higiene e saneamento dos locais de detenção.

Entre Janeiro e Junho de 2013, o CICV:

  • Instalou condutas e abriu poços como parte de um esforço para trazer água potável a mais de 10.900 pessoas nas áreas urbanas das províncias de Paktiya, Nangarhar e Faryab;
  • Instalou bombas manuais e treinou pessoas para as manter, e melhorou a captação de fontes de água como parte do seu esforço para trazer água potável a quase 213.500 pessoas nas zonas rurais das províncias de Parwan, Kapisa, Bamyan, Khost, Uruzgan, Herat, Badghis, Farah, Nangarhar, Kandahar, Kunduz e Faryad; 
  • Realizou sessões de promoção de higiene para guardas e detidos em locais de detenção no norte, sul e oeste, beneficiando cerca de 7.850 pessoas;
  • Ajudou a melhorar o abastecimento de água e as condições sanitárias a 9,400 detidos em três prisões provinciais;
  • Continuou o trabalho de renovação no Hospital Mirwais em Kandahar.

Promover a conformidade com o Direito Internacional Humanitário

Relembrar as partes em conflito da sua obrigação de protegerem os civis é uma parte fundamental dos esforços do CICV para promover a conformidade com o direito internacional humanitário em todo o mundo. O CICV também propaga o conhecimento e o respeito para pelo direito internacional humanitário a grupos da sociedade civil, órgãos governamentais e académicos.

De Janeiro a Junho de 2013, o CICV:

  • Fez apresentações sobre direito internacional humanitário a quase 1.770 membros do exército nacional, policia nacional, unidades locais da polícia local, à Direcção Nacional de Segurança e à oposição armada; 
  • Realizou “briefings” sobre o seu mandato e trabalho para mais de 6.600 pessoas, incluindo  idosos da comunidade, religiosos, membros de conselhos provinciais, autoridades políticas, ONG e beneficiários dos programas de assistência do CICV;
  • Realizou cinco cursos de formação de formadores a quase 170 oficiais do exército nacional que são instrutores em direito internacional humanitário;
  • Efetuou sessões de três dias sobre direito internacional humanitário para quase 4.800 membros do exercito nacional, policia nacional e local, e Direcção de Segurança Nacional.

Trabalhar em parceria com a Sociedade do Crescente Vermelho Afegão

O CICV trabalha estreitamente com a Sociedade do Crescente Vermelho Afegão e dá apoio técnico e financeiro para ajudar prestar serviços à comunidade e implementar uma variedade de programas humanitários.

Entre Janeiro e Junho de 2013:

  • O CICV e o Crescente Vermelho Afegão renovaram a sua quadro de parceria para 2013 e 2014, que é baseado num compromisso com a prestação conjunta de assistência humanitária; 
  • O Crescente Vermelho Afegão recrutou quase 1.000 novos voluntários nas províncias de Khost e Paktiya para apoiarem as suas atividades humanitárias.