150 anos de acção humanitária
Domingo, 17 Fevereiro 2013 09:52

Há 150 anos atrás, a 17 de Fevereiro de 1863, uma ideia ambiciosa tornou-se realidade com o criação do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e as Sociedades de Socorro, conhecidas actualmente como as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho. Pouco tempo depois, um grande avanço para a protecção das vítimas de conflitos armados acontece com a adopção do primeiro tratado do direito humanitário actual.
Para marcar estas datas basilares, o CICV e o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho, do qual a Cruz Vermelha Portuguesa faz parte há 148 anos, marcam o ano de 2013 como o de celebração dos 150 anos de acção humanitária, salientando a riqueza do nosso passado e envolvendo os nossos parceiros e actores num diálogo global sobre os desafios actuais humanitários e como fazer realmente a diferença para as pessoas afectadas pelas crises humanitárias que estão a decorrer e as que emergem.
Numa altura em que as pessoas estão a sofrer as agonias da guerra na Síria, Mali, República Democrática do Congo e noutros pontos do mundo, o CICV está ainda mais determinado do que nunca em continuar a sua missão humanitária.
"Este aniversário dá-nos a oportunidade de olhar de maneira critica para o nosso passado e também desenvolver uma sensibilização para os nossos pontos fortes que nos ajudaram nas nossas actividades, desenvolvidas em favor de milhares de vítimas de conflitos armados e outras violências”, diz Peter Maurer, Presidente do CICV. "Agora, ainda mais do que antes, temos que permanecer fiéis aos nossos princípios, mas também encontrar outras formas de melhor servir as pessoas que necessitam ajuda. Temos que redobrar os nossos esforços para garantir que a natureza neutral, imparcial e independente das nossas actividades humanitárias são compreendidas por todos.”

Website dos 150 anos de acção humanitária

fundadores cicv     

As actividades do CICV e do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho começaram nos campos de batalha, onde os soldados feridos passaram a ser tratados independentemente de quem eram e de que lado pertenciam.

A 17 de Fevereiro de 1863, 5 cidadãos suíços reuniram-se em Genebra para criar um Comité Internacional para o Socorro dos Feridos, que em 1875 foi renomeado como Comité Internacional da Cruz Vermelha.

O CICV é actualmente uma das maiores organizações internacionais humanitárias, com quase 13 mil pessoas a trabalhar em favor das vítimas de conflitos armados e outras violências em 92 países.

A história da Cruz Vermelha que começou há 150 anos não é somente a história da Cruz Vermelha – é também de facto maioritariamente a história das pessoas que sofrem os efeitos da guerra e outras violências, e que pode e deve ser feito para ajudá-las.

“A visão de Henry Dunant – a ideia da Cruz Vermelha – não sobreviveu apenas mas floresceu durante todos estes longos anos,” refere Peter Maurer. “Ao longo deste século e meio, o CICV ultrapassou adversidades políticas, dificuldades financeiras, barreiras culturais e outros inúmeros obstáculos, como até ataques ao seu próprio pessoal que leva assistência e protecção humanitárias a pessoas em necessidade.” Anteriormente uma pequena organização com pessoal exclusivamente suiço, o CICV realiza agora as suas tarefas humanitárias em mais de 90 países em todo o mundo, com uma força de trabalho de mais de 13 mil homens e mulheres de mais de 100 nacionalidades diferentes.

Ao longo de 2013, vao ser assinaladas as principais datas que marcam o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho, como a que destacamos hoje, sob o slogan 150 anos de acção humanitária.