CVP na European Network for Psychosocial Support
Quinta, 14 Fevereiro 2013 16:17

No âmbito da sua área de apoio psicossocial, a Cruz Vermelha Portuguesa acaba de aderir à European Network for Psychosocial Support (ENPS).

Esta rede visa facilitar a troca de experiências entre as Sociedades Nacionais da Cruz e do Crescente Vermelho na Europa, ao mesmo tempo que promove o desenvolvimento da dimensão psicológica nas áreas de intervenção das Sociedades Nacionais, enquanto “tronco comum”, a par das regulares actividades já desenvolvidas.

A Cruz Vermelha Portuguesa, na implementação da dimensão do apoio psicossocial e de acordo com as disposições da Federação internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV/CV), pretende promover, organizar e coordenar projectos e programas psicológicos, em contextos psicossociais da vida diária e em situações de excepção. Neste enquadramento, a CVP dá especial atenção à acção de prevenção de problemas de saúde mental e a promoção de bem-estar psicológico e psicossocial dirigida para a comunidade e colaboradores da Instituição (concretamente, em situações de pós incidente crítico).

A Federação internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho e o apoio psicossocial

Desastres, conflitos e problemas de saúde têm graves consequências psicossociais. As feridas emocionais podem ser menos visíveis do que a destruição de casas, mas, muitas vezes, leva mais tempo para recuperar o impacto emocional do que para superar perdas materiais.

Num mundo que enfrenta desafios cada vez maiores, a FICV/CV proporciona assistência humanitária, não só com a ajuda de emergência tradicional, mas também com abrigo, distribuição de alimentos, cuidados básicos de saúde e, ainda, apoio psicossocial.

O apoio psicossocial surge, então, como parte integrante das respostas de emergência da FICV/CV; ajuda os indivíduos e a comunidade a “tratar” feridas psicológicas e a reconstruir estruturas sociais depois de uma emergência, ou evento crítico. Pode, ainda, ajudar as pessoas a passar de vítimas passivas, para sobreviventes activos.

Se for precoce e adequado, o apoio psicossocial pode: evitar o desenvolvimento da angústia e sofrimento em algo mais grave; ajudar as pessoas a lidar melhor e reconciliarem-se com a vida quotidiana; ajudar os beneficiários a retomar a sua vida normal; atender às necessidades identificadas na comunidade.

O apoio psicossocial pode ser adaptado a circunstâncias específicas para responder às necessidades psicológicas e físicas das pessoas em causa, ajudando-as a aceitar a situação e aprender a lidar com ela.