Cruz Vermelha responde às condições extremas de inverno na Europa
Quinta, 09 Fevereiro 2012 15:53

 rc bosnia and herzegovina noticia vaga frio   cv montenegro notcia vaga frio

As Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha do Centro e Leste da Europa mobilizaram o seu pessoal, voluntários e recursos para responder à actual situação de emergência causada pelas severas condições meteorológicas que afectam as comunidades locais.
Nos últimos dias, uma vaga de frio polar atingiu vários países na Europa Central e de Leste, com fortes nevões e temperaturas siberianas, nalgumas regiões a chegar aos -30º, que causaram, até à data, mais de 130 mortos por hipotermia e congelamento, cortes de energia, caos rodoviário e o fecho de escolas e infantários em certas partes da Ucrânia, Bielorrússia, Polónia, Sérvia, Roménia, Rússia, Macedónia, Bulgária, Bósnia-Herzegovina e Itália.
Desde as primeiras horas após as temperaturas terem descido abaixo dos zero graus, as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha desses países têm assistido os mais vulneráveis, disponibilizando tendas aquecidas nas zonas mais críticas, refeições e bebidas quentes, distribuindo cobertores e roupas quentes e prestando assistência directa aos centros locais para idosos e sem abrigo.
Acção da Cruz Vermelha
Em todos os países afectados por esta vaga de frio, as Sociedades Nacionais têm vindo a actuar prontamente na resposta a dar aos mais vulneráveis e afectados pelas condições adversas.
Na Bielorrússia, a Cruz Vermelha lançou a operação “Proteger os sem abrigo do gelo na Bielorrússia”, onde os voluntários têm distribuído aos residentes dos centros regionais de Minsk bebidas e refeições quentes, e aos não residentes da capital roupa quente e calçado. Foram instaladas unidades móveis de aquecimento a nível urbano e regional, ao mesmo tempo que se faz a distribuição de bens essenciais pelas unidades especiais de rua, beneficiando 1.500 pessoas. A CV Bielorrussa está a trabalhar em estreita parceria com os abrigos temporários para os sem abrigo e centros sanitários alcançado assim os grupos-alvo, fazendo a avaliação das suas necessidades e estabelecendo as bases para futuras operações.
Na Ucrânia, a Cruz Vermelha nacional está a dar assistência a cerca de 2.000 pessoas, identificando aqueles que se encontram mais expostos às temperaturas extremas, como sem abrigo, pessoas que vivem abaixo do nível de pobreza, desempregados e mães solteiras com um ou mais filhos e os idosos. Os voluntários e enfermeiras da CV Ucraniana dão apoio através da distribuição de refeições quentes, chá e cobertores por todas as regiões onde a vaga de frio teve os efeitos mais nefastos, nomeadamente: Harkov, Dnepropetrovsk, Kirovogad, Chernugov, Luganks and Sumi.
Na Macedónia, a Sociedade Nacional está a trabalhar na sensibilização da população para os efeitos e consequências para a saúde que este tempo frio pode causar, incluindo a preparação e distribuição de panfletos em macedónio e albanês, com conselhos preventivos de como se pode proteger em situações extremas como esta, possíveis sintomas e os primeiros socorros que poderão ser levados a cabo, por exemplo, em situação de hipotermia ou congelamento. Ao mesmo tempo, criaram um centro de acolhimento aberto 24 horas por dia na delegação de Sokopje da Cruz Vermelha para os sem abrigo, tendo igualmente equipas móveis deslocadas em todo o território.
A Cruz Vermelha da Sérvia encontra-se a monitorizar a situação de 16 municípios onde foi declarado o estado de emergência: até à data, 650 famílias foram identificadas pelas delegações desta Cruz Vermelha como as mais necessitadas. O pacote de emergência composto por comida enlatada, roupas de inverno, botas, luvas, cobertores, velas e kits de higiene será distribuído aos beneficiários assim que as estradas estejam desimpedidas. Um bom exemplo, tal como acontece na Macedónia, é o facto de as delegações estarem a disponibilizar as suas instalações para acolher os sem abrigo, protegendo-os do frio.
A Cruz Vermelha da Bósnia-Herzegovina deu imediatamente início a uma operação de emergência, distribuindo kits de comida básica e medicamentos a 1.568 famílias. Até agora estão envolvidos 15 membros da CV Bósnia-Herzegovina e 70 voluntários.
Na Polónia, a Cruz Vermelha nacional abriu um centro de acolhimento para os sem abrigo, com capacidade para 59 camas, embora esteja a acolher actualmente 65, prevendo-se a chegada de mais pessoas a cada dia que o frio se mantém muito abaixo de zero graus.
Os voluntários e pessoal da Cruz Vermelha Búlgara, em cooperação com os bombeiros e protecção civil activaram o serviço de contacto 24/7 com todas as estruturas no território. Em algumas delegações no nordeste da Bulgária, os centros de crise foram abertos para apoiar os sem abrigo e aqueles que se encontram presos nas estradas. A situação continua a ser muito crítica até pelo novo nevão que caiu nos últimos dois dias.
Em Itália, do norte ao sul do país, as delegações da Cruz Vermelha Italiana têm intensificado os esforços de assistência aos mais idosos e aos sem abrigo. 150 voluntários foram enviados para a região de Emilia Romagna, juntamente com 45 veículos a fim de distribuir bens essenciais, chá e cobertores.
A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho (FICV) alocou 64 mil euros do seu Fundo de Emergência para apoiar as actividades destas Sociedades Nacionais em favor das vítimas do frio extremo que tem assolado a Europa central.