Mensagem

Em 2015 vamos celebrar 150 anos de vida e de acção humanitária da Cruz Vermelha Portuguesa.
Um século e meio de história, valores e compromisso; de solidariedade, socorro e apoio às pessoas mais vulneráveis.
Um século e meio de adaptação às necessidades de cada tempo, curando feridas de todo o tipo. Feridas de várias guerras e desastres, e cicatrizes menos visíveis, mas igualmente profundas, causadas pela pobreza, a exclusão, a violência, o desemprego…

Luís Barbosa

Presidente Nacional
Comunicado 3/2/2015

Cruz Vermelha Portuguesa celebra 150 anos de Humanidade

No próximo dia 11 de Fevereiro, a Cruz Vermelha Portuguesa vai iniciar as comemorações do seu 150.º aniversário com a realização de uma Sessão Solene, no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

Nesta mesma data, há 150 anos atrás, a Cruz Vermelha Portuguesa foi fundada pelo médico-militar José António Marques, sob a designação inicial de “Comissão Provisória de Socorros a Feridos e Doentes em Tempo de Guerra”. 

Ao longo da sua história humanitária, esta Instituição foi actuando, por si ou enquadrada no seu Movimento Internacional, procurando defender a vida, a saúde e a dignidade, especialmente dos mais vulneráveis. Hoje, a Instituição estende-se a todo o país, abrangendo cerca de um milhão de beneficiários por ano.

Segundo Luís Barbosa, Presidente Nacional da Cruz Vermelha Portuguesa, “foram 150 anos de adaptação às necessidades de cada tempo, curando feridas de várias guerras e desastres, e cicatrizes menos visíveis, mas igualmente profundas, causadas pela pobreza, a exclusão, a violência, o desemprego… “ 

Para relembrar o seu século e meio de história, de valores, de socorro e apoio à humanidade, a Cruz Vermelha Portuguesa vai reunir neste evento a sua rede de voluntários e colaboradores, bem como representantes da sociedade, instituições, administrações, empresas parceiras e outras entidades, que tiveram e têm um papel fundamental na sua missão.

Para Luís Barbosa, “2015, será um ano de comemoração do passado, mas, acima de tudo, e porque esta história não acaba aqui, de projecção para o futuro! A Cruz Vermelha Portuguesa permanecerá sempre de braços abertos, junto das pessoas, procurando dar resposta aos problemas actuais e defendendo continuamente as causas da vida.”