Testemunhos

Ao Pessoal da Teleassistência

A todas as “Assistentes”
Mas a todas sem excepção,
Eu venho agradecer
Por estarem sempre presentes
Quando alguma aflição
Nos resolve...acontecer...

Vosso esforço reconhecido
Feito com amor então,
Deve ser apreciado,
Pois é mais que merecido,
Se é feito com coração,
Deverá ser mencionado...

Com tanta ignorância,
Eu, idosa não saudável
E enfermeira também,
Reconheço a importância
Duma palavra agradável
Ao que cada um faz bem.

Assim, venho elogiar
Em nome de nós, idosos,
A vossa dedicação,
E maneira de lidar,
Com ternura, tão bondosos...
Com a minha GRATIDÃO.

Susy de Sampaio Garrido, 82 anos, Cascais


"Já há algum tempo que estou para agradecer e elogiar a grande equipa da Teleassistência da Cruz Vermelha, pois têm dado o maior apoio à minha mãe, Maria Alice de Sousa Parreira. Têm sido as pessoas mais amorosas, sempre disponíveis, carinhosas, cuidadosas, amigas e pontuais nos agendamentos. Não tenho mais palavras para descrever o tratamento prestado à pessoa que é mais importante para mim, que é a minha mãe. Também quero agradecer, quando sou eu que atendo o GPS que serve igualmente de telemóvel da minha mãe, todo o carinho e apoio que me dão quando estou mais em baixo. Portugal precisa de serviços assim. Devemos falar quando as coisas estão mal, mas temos que elogiar e divulgar quando existem serviços tão maravilhosos como o vosso. PARABÉNS À EQUIPA DA TELEASSISTÊNCIA DA CRUZ VERMELHA que toma conta dos nossos velhotes com tanto carinho e atenção."

Isabel Luzia de Sousa Parreira (filha de uma utente), Lisboa


"10 anos será pouco, mas para mim foram 10 anos que me ajudaram a viver. Continuo a contar com a Teleassistência até acabar os meus últimos dias de vida.”

Álvaro José da Silva, 92 anos, viúvo, Amadora


“Deu-me uma grande tranquilidade porque tenho um filho único que vive na Várzea de Sintra. O meu filho diz que em primeiro lugar está a Cruz Vermelha e depois ele.”

Laurinda Fonseca, 86 anos, invisual, Lisboa


“As pessoas plenamente autónomas que necessitam de protecção poderão ter resposta imediata nas situações de emergência, pois a Teleassistência da Cruz Vermelha está à distância de um toque.”

António e Louise Vasconcelos, 94 e 75 anos, Sintra